That there really is a difference...
        
Contributors
 bubamara
 [HUNT3R]
 n0fun

Previous Posts
Elements
Adeus Sophia!
Ainda as patentes de software
Sway
Conhecam e apreciem
Venham os próximos...
Força Portugal!
Parabéns!
Mar... verde ou negro?
Deixa-me sufocar


Archives
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004

Powered by Blogger

Receba os últimos posts por e-mail!


segunda-feira, julho 5

Elements

Às vezes dou por mim
a tentar dar sentido as palavras,
à procura do seu significado.
não o encontro
nada do que procuro encontro
perco-me na noite escura
sinto falta do teu abraço
sinto,
porque quero chorar
sinto,
porque me fazes falta
sinto,
porque te quero
(...)
muito!

domingo, julho 4

Adeus Sophia!

E eu caminhei no hospital
Onde o branco é desolado e sujo
Onde o branco é a cor que fica onde não há cor
E onde a luz é cinza

E eu caminhei nas praias e nos campos
O azul do mar e o roxo da distância
Enrolei-os em redor do meu pescoço
Caminhei na praia quase livre como um deus

Não perguntei por ti à pedra meu Senhor
Nem me lembrei de ti bebendo o vento
O vento era vento e a pedra pedra
E isso inteiramente me bastava

E nos espaços da manhã marinha
Quase livre como um deus eu caminhava

E todo o dia vivi como uma cega

Porém no hospital eu vi o rosto
Que não é pinheiral nem é rochedo
E vi a luz como cinza na parde
E vi a dor absurda e desmedida

Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra poética II


Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)

Ainda as patentes de software

"Parlamento Holandês força Ministro Brinkhorst a retirar o apoio à proposta de directiva de patentes de software. Reabertura da discussão está nas mãos do governo português.
Há algumas horas atrás [ontem], o Parlamento Holandês decidiu ordenar ao Ministro Brinkhorst e ao Secretário de Estado van Gennip (Assuntos Económicos) que retirem o apoio Holandês ao texto do Conselho de Ministros para uma Directiva de Patentes de Software, votado em 28 de Maio de 2004. Esta é a primeira vez na história da UE que tal medida foi tomada."

Continue a ler esta notícia...

sexta-feira, julho 2

Sway

Making promisses
Making choices
Taking ways
Leaving away
[...]
You brought me here
And leave me here all by myself
Heart ask pleasure first
But all i can give you is disappointment
[...]
Can't see
(Won't see)
Can't listen
(Won't listen)
Can't love
(Won't love)

segunda-feira, junho 21

Conhecam e apreciem

Aqui vai um excerto de um poema de Fernando Pessoa (o meu poeta e poema favorito). Para quem não conheçe e gosta de poesia e mesmo para quem não goste, apreciem.

Insónia


Não durmo, nem espero dormir.
Nem na morte espero dormir.

Espera-me uma insónia da largura dos astros.
E um bocejo inútil do comprimento do mundo.

Não durmo; não posso ler quando acordo de noite.
Não posso escrever quando acordo de noite,
Não posso pensar quando acordo de noite -
Meu Deus, nem posso sonhar quando acordo de noite!

Ah, o ópio de ser outra pessoa qualquer!

Não durmo, jazo, cadáver acordado, sentindo,
E o meu sentimento é um pensamento vazio.

Passam por mim, transtornadas, coisas que me sucederam -
Todas aqueasslas de que me arrependo e me culpo -;
Passam por mim, transtornadas, coisas que não me sucederam -
Todas aquelas de que me arrependo e me culpo -;
Passam por mim, transtornadas, coisas que não são nada,
E até dessas me arrependo, me culpo, e não durmo.

...

Noite absoluta, sossego absoluto, lá fora.
Paz em toda a Natureza.
A Humanidade repousa e esquece as suas armaguras.
Exactamente.
A Humanidade esquece as suas alegrias e amarguras.
Costuma dizer-se isto.
A Humanidade esquece, sim, a Humanidade esquece,
Mas mesmo acordada a Humanidade esquece.
Exactamente. Mas não durmo.



Por favor comentem à vontade e se gostarem e quiserem mais poemas, peçam.
Assim me despeço e até uma outra noite mal passada.

domingo, junho 20

Venham os próximos...



E é assim que estamos nos quartos de final. Bom jogo. Sofremos até ao fim... acho que foi merecido!

Força Portugal!



Que esta imagem se repita muitas vezes esta noite. Contamos com todos para ultrapassarmos a Espanha e estar nos quartos-de-final. Força!

Parabéns!

Parabéns ao meu pai, que neste dia completa 50 anos.

Mar... verde ou negro?

O verdadeiro mar é frio e negro, cheio de animais; roja-se por baixo daquela delgada película verde feita para enganar as pessoas. Os silfos que me cercam caíram no logro: veêm apenas a película delgada...


Quem tentas enganar?
Acorda!
Alguém chama por ti,
Mas não aquela por quem esperavas.
Mundo cruel dizes tu...
Respondem-te que nem sempre os teu caprichos vingam.
Aborreces-te.
Tens razão para isso,
mais uma vez julgas tu.
Acorda!
Vês além,
Compreendes e percebes além...
Mas não entendes aqui.
Não custa olhar ao espelho
Mas recusas-te a fazê-lo.
Porquê?
Terás medo do que podes encontrar?
Ou sabes que não podes cair mais, e que afinal sempre olhas para ti...
Se bem que com olhos mais doces, bem mais doces...

Eu vejo o que está por baixo!


sábado, junho 19

Deixa-me sufocar

Gostava tanto de me abandonar, de me esquecer de mim, de dormir. Mas não posso, sufoco: a existência penetra em mim por todos os lados, pelos olhos, pelo nariz, pela boca...


Farto de ti, queria que me largasses. Nunca te quis, mesmo que isso parecesse óbvio. Larga-me. Deixas-me doente, tonto. Larga-me. Porque tantas perguntas? Porque eu? Porque estou aqui? Porque não me largas? Dói-me a cabeça. Afasta-te... por favor!

sexta-feira, junho 18

Pra onde?

A minha raiva fervia à superfície e, durante um momento, tive a impressão desagradável de ser um bloco de gelo enrodilhado em fogo, um lago quieto sob uma toalha de petróleo a arder.


Há alturas em que a raiva parece tomar conta de nós. Somos meras marionetas ao serviço do nosso lado mais negro. Todos os pensamentos e atitudes que por vezes sabiamos que eram merecidas, mas inoportunas têm agora a porta aberta para se darem a conhecer ao mundo. Mas o arrependimento é filho da raiva, e depois de esta se ter dado a conhecer, pode ser muito tarde para voltar atrás... Pensar pode levar-te pra fora de um caminho que nunca quiseste pisar, mas pode deixar-te cada vez sozinho, no fundo do poço. Que nos resta?

Essa agitação superficial dissipou-se...

 RainStorm
 Estúdio Um
 Memórias da Mente
 Incertezas Absolutas
 Sykor
 Cafeína
 Incens
 Caneta Sem Tinta
 If Then Else
 Percepções do Meu Olhar
 Dextro
 Jack's Blog
 Gato Fedorento